cultura arte e pesquisa

cultura arte e pesquisa

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Maracatu Baque Mulher Manaus- 1ª Apresentação.







Maracatu Baque Mulher Manaus

O  Grupo Baque Mulher Manaus é um grupo de Maracatu de baque Virado formado somente por mulheres batuqueiras. Fundado em fevereiro de 2016, a partir de um convite da Mestra Joana Cavalcante que é mestra do Baque Mulher de Recife e da Nação Encanto do Pina, ambos de Recife-PE. Na ocasião o intuito era apenas para fazer um vídeo para homenagear o dia 08/03- Dia Internacional da Mulher.
Em 13/03/16 aconteceu a primeira apresentação e registro. A partir daí o projeto tomou forma e é o primeiro grupo de maracatu do norte formado somente por mulheres e que compõem a Rede Baque Mulher Nacional e Rede Maracatu Eco da Sapopema, juntamente com os grupos: Maracatu Quebramuro e Maracatu da Cacilda.
O grupo evidencia o empoderamento de todas as mulheres cis e trans, prezando pela sororidade, afirmando que as mulheres exibem perfeita condições instrumentais para tocar tambores, e o que o fazem com maestria. Com convicção e resistência o grupo esta comprometido com a difusão da cultura afro-brasileira, manutenção e preservação dos saberes tradicionais, igualdade social, igualdade de gênero e racial.
A cultura do maracatu de baque virado tem suas origens na cidade de Recife-PE difundindo-se pelo Brasil e pelo mundo, a tradição representa o cortejo de coroação do Rei e da Rainha das cortes africanas e possuem forte ligação com os preceitos e religiosidades do candomblé.Em dezembro de 2014, a tradição recebeu o título de patrimônio cultural imaterial do Brasil pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).
Objetivos:
1- Difundir a cultura afro-brasileira por meio do maracatu de baque virado;
2-Discutir políticas públicas essenciais para a saúde e a segurança da mulher;
3-Dialogar com instituições, coletivos e outros movimentos, impulsionando a criação de uma rede com foco na luta contra a violência da mulher.
  







segunda-feira, 19 de outubro de 2015

GRUPO CULTURAL MALUNGO DUDU

Desde o mês de agosto de 2015 estão sendo realizados encontros e ensaios do Malungo Dudu que em 2015 retoma com um formato mais voltado para os vários ritmos da música popular brasileira dentre eles os de terreiros, samba reggae e samba de roda.


Os encontros e ensaios estão sendo realizados na Galeria do Bar Caldeira, que é o maior apoiador deste projeto cultural em Manaus, sendo às quintas das 19:00 às 21:00 e sábados das 16: às 18:00 horas. Qualquer pessoa pode participar.


O Malungo Dudu teve sua criação no final da década de 80, e participou de vários eventos culturais ligados ao movimento negro de Manaus, liderados por Nestor Nascimento e KK Bonates.


O objetivo do Malungo Dudu é fazer  um trabalho com a arte integrando música, dança, capoeira, poesia e performance, de cunho político e social que combata  a discriminação racial, pensando no fortalecimento da identidade étnica ,da igualdade de gênero, cidadania e autoestima.


Por Cléia Alves.

ENSAIO  BAR CALDEIRA


ENSAIO BAR CALDEIRA

ENSAIO BAR CALDEIRA

ENSAIO BAR CALDEIRA

ENSAIO BAR CALDEIRA

ENSAIO BAR CALDEIRA

APRESENTAÇÃO NA ASSINPA, 1989.

APRESENTAÇÃO NA ASSINPA, 1989

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Um Sacerdote chamado Wilson Falcão Real


Falar de Candomblé de Angola na Cidade de Manaus é se referir as casas tradicionais estabelecidas no bairro Lírio do Valle II, onde residem três sacerdotisas responsáveis por dar continuidade aos ensinamentos e aos mistérios dessa religião que chegara em Manaus na década de 1970. A trajetória dessa nação de candomblé apresenta como sua figura responsável um certo Bahiano conhecido como Wilson Falcão Real (Tatá Mutalambô).

Wilson Falcão Real nascera no dia 24 de setembro de 1946, e teve sua iniciação no candomblé na cidade de Salvador. De origem circense, Wilson era um artista nato, ator, bailarino, folclorista, sacerdote... A vida de Wilson Falcão Real fora ligada estritamente a arte e a religião, em suas andanças pelo norte do Brasil, é um dos granddes sacerdotes ainda hoje lembrado pelo povo do santo.

Além de Sacerdote de Candomblé, Wilson Falcão Real ocupara diversos cargos públicos, tanto no Amazonas como em Roraima, chegando inclusive a ser um dos Coordenadores do Departamento de Dança do Teatro Amazonas e um dos pioneiros dos debates e inserção da cultura negra nas escolas públicas do Amazonas.

Sua chega a Manaus data dos idos da década de 1970, quando a convite de senhor Raimundo Branco, chegaria para acompanhar uma festa de Tambor de Mina, que a partir daí mudaria completamente o cenário afro religioso no Amazonas. Com autoridade religiosa e conhecimento litúrgico, Wilson Falcão Real, passaria a ministrar cultos afro-religiosos em língua, e promove a saída de uma primeira turma de iniciados no Candomblé. Segundo dados apresentados por Mameto Lembajinam, Tatá Mutalambô, chegara a iniciar cerca de 46 pessoas nos mistérios do Candomblé.

Sua ida para o Estado de Roraima traria novos rumos para o Candomblé de Angola, pois assim como em Manaus, Wilson fincaria raízes da Nação Angola naquele Estado, tanto que é apontado como um dos responsáveis pela fundação do candomblé de nação em Boa Vista, culto que hoje é preservado por Tatá Boculê.

Sua luta em prol da cultura negra vai além do Candomblé, Wilson Falcão Real ficara conhecido por suas coreografias apresentadas no palco do Teatro Amazonas, na qual sempre apresentava danças dos Orixás, e principalmente por sua luta contra o preconceito a religião dos ancestrais africanos. Fundara na década de 1980 o Inzo Muzambo Tatá Mutalambô, considerada por membros do Candomblé de Angola, como a primeira casa de culto a Nkisses da Cidade de Manaus.

Wilson faleceu no ano de 1992, em decorrência de uma parada cardíaca, e esta sepultado em Manaus, no Cemitério Parque Tarumã, e seus ensinamentos religiosos hoje se encontram preservado no Abassá de Angola de Danda Keuamaze, sobe a responsabilidade de Danda Keuamaze, e no Abassá de Angola de Nenguá Taumbire, dirigido por Danda Taumbire e Mametu Lembajinam, que preservam e se mantém fieis ao Candomblé de Nação Angola.

A trajetória de Wilson Falcão Real no Amazonas, o estabelecimento do Candomblé de Angola na Cidade de Manaus, seu pioneirismo na liturgia bantu, o tornara não apenas um simples sacerdote e sim o principal responsável pela fundação e a preservação dessa religião enigmática e misteriosa e que apresenta no culto aos Nkisses a figura de seus ancestrais.
Luciney Araújo é pesquisador do NCPAM/UFAM e dos especialistas da cultura e religiosidade afro na Amazônia.
FONTE:
http://www.ncpam.com.br/2009/11/um-sacerdote-chamado-wilson-falcao-real.html

quinta-feira, 10 de julho de 2014

IV MOSTRA DE CULTURA POPULAR DO AMAZONAS

Cultura popular no Largo de São Sebastião Publicado em: 09/07/2014




Nesta quinta-feira, dia 10, o Largo de São Sebastião vai transbordar de cultura popular, a partir das 16h. Os grupos Tambor de Crioula Punga Baré, Maracatú Eco da Sapopema, Gambá e Boi Temozinho de Maués, Gambá de Humaitá, Bando da Anunciação, Cordão da Marambaia e Cativeiro presentaram um pouco da cultura que anima a região norte. Além disso, a programação contará com apresentações de teatro de rua e artistas circenses.
cultura_popular
“É um evento importante, pois trata-se da ocupação de um espaço público pela diversidade da cultura popular amazonense”, explica o Secretário de Estado da Cultura, Robério Braga.
As apresentações fazem parte da IV Mostra de Cultura Popular e são todas realizadas fora do palco, o que possibilita um contato estreito do público com os artistas. Com o intuito de reunir as mais marcantes manifestações tradicionais do Amazonas em torno de suas festas a Mostra se tornou uma grande congregação de mestres, aprendizes e saberes em formato de feira.


FONTE:
http://www.cultura.am.gov.br/cultura-popular-no-largo-de-sao-sebastiao/

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

PROJETO PRESENÇAS NA REVITA IDÉIAS EDITADAS.

REVISTA IDÉIAS EDITAS ANO 3 - N.10-OUT/NOV/DEZ DE  
                                    2013-MANAUS/AM